22 de Agosto de 2017

Está aqui

Projeto PAELORIS

Vencedor do tema da 2ª edição (2012): “RIAS, ESTUÁRIOS E LAGOAS DE PORTUGAL – CONHECER E CONSERVAR”

InAqua Fundo de Conservação by Oceanário de Lisboa e National Geographic Channel
 
 

Paeloris (do latim, mexilhão), foi o nome escolhido para um projeto da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro que caracteriza e sensibiliza para a proteção das espécies nativas de bivalves nas lagoas costeiras do litoral centro de Portugal (Lagoa de Mira, Barrinha, Braças e Vela), zonas húmidas de grande produtividade e riqueza natural, a proteger e preservar, integradas no Sítio de Importância Comunitária Rede Natura 2000 – Dunas de Mira, Gândara e Gafanhas.

Área de Estudo
 
Objetivos

Objetivo Geral: Caracterização e quantificação de espécies nativas de bivalves de água doce contribuindo para um maior conhecimento do Património Ambiental presente nas 4 lagoas costeiras (Barrinha de Mira, Lagoa de Mira, Lagoa da Vela, e Lagoa das Braças) com intuito de as proteger para garante da sobrevivência destas espécies.

 

Objetivos Específicos:

  1. Identificar e quantificar (determinação da densidade, estrutura populacional e taxa de recrutamento) as populações de espécies nativas de náiades para a avaliação da biodiversidade ao nível da comunidade e do ecossistema
  2. Avaliar qual o estatuto de conservação de cada uma das espécies encontradas
  3. Identificar e quantificar (determinação da densidade populacional) as populações de espécies exóticas, essencial para a definição de estratégias eficazes de gestão no controle e prevenção de espécies invasoras
  4. Caracterizar a comunidade piscícola (identificação das espécies, determinação da densidade e estrutura populacional) presente nas lagoas uma vez que está intimamente associada aos bivalves da Ordem Unionoida
  5. Avaliar o estado ecológico das lagoas com base nos critérios definidos pela DQA: elementos biológicos, hidromorfológicos e físico-químicos de suporte
  6. Identificar as principais pressões a que estão sujeitos os diferentes ecossistemas e os efeitos sobre as comunidades alvo deste estudo
  7. Propor medidas de mitigação/minimização caso se verifiquem necessárias
  8. Apresentar medidas para sensibilização ambiental e preservação do património natural para garante da sobrevivência das espécies
 
Bivalves de Água Doce Nativos (Família Unionidae)
As comunidades de bivalves locais, vulgarmente designados náiades ou mexilhões de água doce, são elementos integrantes de algumas lagoas do litoral centro de Portugal e têm uma grande importância funcional e ecológica. Outrora abundantes em muitos ecossistemas aquáticos, são atualmente um dos grupos de organismos mais ameaçados e em risco de extinção. Também a ameaçar a sua extinção concorrem os bivalves exóticos invasores.
 
Principais Ameaças
  • Agricultura
  • Alteração do uso dos solos
  • Erosão devido aos fogos
  • Pastoreio
  • Remoção de vegetação ripícola
  • Extração de água
  • Sobrepesca
  • Poluição da água
  • ETAR's
  • Regularização dos rios
  • Secas
  • Espécies exóticas
 
 

Painel Nativas

Desdobrável Nativas 

 
Bivalves de Água Doce Invasores (Família Corbiculidae)
A família Corbiculidae (ordem Veneroida) destaca-se por ter espécies que são pragas ou invasões marcantes a nível mundial. Causam sérios desequilíbrios e prejuízos nos sistemas naturais (rios, lagos, lagoas) e mesmo em sistemas artificiais (condutas de água, estações de tratamento, etc.). Estas invasões são principalmente provocadas pela ação do homem, tal como aconteceu nos anos 90, com a introdução da amêijoa-asiática a montante desta lagoa. Agora distribui-se pela maioria das lagoas e cursos de água da região.
 
 

Painel Exóticas

Desdobrável Exóticas 

 
Macrófitos

Painel Macrófitos

Desdobrável Macrófitos

 
Lagostim-vermelho-da-Louisiana
 

Painel Lagostim-vermelho-da-Louisiana

Desdobrável Lagostim-vermelho-da-Louisiana

 
Filme Paeloris