24 de Outubro de 2017

Está aqui

Ambiente

Situado no litoral centro de Portugal e com uma superfície aproximada de 123 km², plana ou ligeiramente ondulada, o Concelho de Mira é dominado por dunas sedimentares de origem muito recente. Esta região costeira, também designada por "Gândara", é dominada por uma frondosa e extensa floresta de pinheiro-bravo (Pinus pinaster).

Devido a essa grande floresta, um pouco mais de metade do território de Mira está classificado de "Zona Especial de Conservação do Sítio Rede Natura 2000 – Dunas de Mira, Gândara e Gafanhas" – um estatuto ambiental europeu para a proteção dos habitats e suas espécies. Por sua vez, parte da sua zona marítima e do canal de Mira - na área de sapal do Areão de Mira - pertencem à "Zona de Proteção Especial do Sítio Natura da Ria de Aveiro" - um decreto para a proteção da avifauna aquática e salvaguarda da biodiversidade.

Quem passeia e usufrui pelas terras de Mira, sobretudo na pista ciclo-pedonal - cerca 26km de extensão - e pelos diversos percursos pedestres - 6 percursos com cerca de 55,6km de extensão total) sente as diferentes paisagens e habitantes que vai atravessando: desde o oceano e orla costeira dunar, seguida por uma mancha verde florestal assente em dunas, retalhados campos agrícolas junto às povoações, diversos cursos de água e por belas duas lagoas de água doce - a Barrinha Mira e a Lagoa de Mira.

Estes habitats distintos acolhem dezenas de populações ímpares, onde flora e fauna coexistem. Aqui estão inventariadas mais de 200 espécies de aves, 12 de peixes, 13 de anfíbios, 12 de répteis e 22 de mamíferos. Nas plantas, entre herbáceas, arbustivas e arbóreas, podemos encontrar mais de 400 espécies florísticas. São estes os mundos de escala menor que o convidamos a explorar!

Um agradável cenário paisagístico que convida à visitação. Desejamos-lhe um ótimo passeio na descoberta da natureza e da sua biodiversidade, a par com o importante património cultural e arquitetónico que aqui existe.

    

 

 

A elaboração da Carta da Água em formato de base de dados georreferenciada que identifica locais na Bacia Hidrográfica com risco ambiental e a informação associada resultante da monitorização dos cursos de água e zonas lagunares.

Trata-se de um instrumento de grande impacto na coordenação dos meios para a gestão do ambiente a nível municipal e regional, fundamental para o planeamento e investimento em meios de proteção ambiental e para a gestão das situações de intervenção e fiscalização.

A Autarquia de Mira encontra-se a introduzir dados sobre a monitorização da qualidade da água na bacia hidrográfica. Brevemente essa informação será disponibilizada ao público.

 

O Plano Municipal da Água (PMA) foi solicitado pela Associação dos Municípios da Ria (AMRia) à Universidade de Aveiro e foi desenvolvido em colaboração com o Instituto do Ambiente e Desenvolvimento (IDAD) e os 11 municípios da AMRia.

O PMA é constituído pelos seguintes relatórios:

Diagnóstico – a caracterização da situação atual no que respeita ao recurso hídrico na área territorial dos municípios;

Plano de Acão – as linhas orientadoras e estratégias a seguir no âmbito da gestão do recurso hídrico às escalas municipal e intermunicipal.

Os municípios abrangidos pelo estudo são: Águeda, Albergaria-a-Velha, Aveiro, Estarreja, Ílhavo, Mira, Murtosa, Oliveira do Bairro, Ovar, Sever do Vouga e Vagos.

Consulte o Diagnóstico e Plano de Acão nos Documentos abaixo apresentados.

“As espécies vegetais com as suas diferentes formas, coloridos, estruturas, texturas e volumes, constituem elementos plásticos com os quais se pode aumentar o interesse estético de muitos espaços urbanos, equilibrando a composição dos volumes construídos, com a introdução de adequadas superfícies vegetais.” In Araújo, I. Alves. Problemas da Paisagem Urbana, Lisboa, 1961.
Os espaços verdes, além de adornar, possuem valor ecológico devido ao seu contributo para a purificação do ar, para a diminuição da poluição sonora e diminuição do impacto das chuvas. Melhoram o microclima, promovendo a conveniente circulação da água e do ar, proporcionam sombra e refúgio para inúmeras espécies de animais valorizando assim a vida local. Também desempenham um papel educacional muito importante.
 

A Câmara Municipal de Mira consciente da importância que os Espaços Verdes Urbanos (EVU) representam como componente indispensável da qualidade de vida urbana e de integração na paisagem, valorizará este recurso através da promoção, divulgação e requalificação de seus EVU e Parques de Lazer.